mercoledì 9 novembre 2016

Agência Ecclesia
O Papa Francisco lembrou hoje, durante a audiência pública com os peregrinos no Vaticano, todas as pessoas que se debatem com a doença ou uma deficiência profunda, homens, mulheres e crianças que não podem ser deixados “sozinhos” no seu sofrimento. “Um sorriso, uma carícia, um aperto de mão são gestos simples mas muito importantes para quem se sente abandonado a si mesmo e pouco ou nada pode fazer para remediar o seu mal”, frisou o Papa argentino durante a sua intervenção na Praça de São Pedro. (...)